Flor das Onze

Nada mais que sopros de vida.


Linhas do Tempo

Numa construção de fatos, podemos existir como somos.

Um pontilhado a mais, centímetros a menos, num corte ou borracha, e hoje não seria como hoje.

Todos os fatos desde a criação do mundo, cada milhar de décadas construídas para que este dia seja como hoje.

Obrigada Pai e Mãe, com erros e acertos estamos hoje aqui.


Proximidade da arte

É preciso pensar no próximo, quando for ensaiar o corpo para fazer arte;

É preciso preparar a alma, para comunicar a uma outra;

Saber o que sente, para poder ter sentido;

Ser tocado, para que o outro se identifique;

A arte tem de se

fazer sentir;

Precisa continuar sendo sentida.

É preciso sentir.


Uma Reflexão

“Nada se cria ou deixa de existir, tudo se transforma”.

Esta ainda a pouco conversando com uma amiga sobre a morte das estrelas. Vemos o que a milhares de anos, já morreu, mas que de alguma forma ainda está presente, em brilho sobre a terra.

O que é a morte? O Fim ou uma passagem para o Início?

Um espaço de uma transformação de “Corpo”, ou de significado?

Ora, todas as de algum modo não se acabaram. Apenas deixaram de ser o mesmo formato, pois de algum modo assumem outra maneira de se manifestar no universo. Como processo de decomposição, ou o efeito de uma explosão. A diluição que as coisas sofrem, agregando a outros elementos, transformando-se em outros.

Mas espere leitor, até agora estou apenas no plano material do universo, não quero entrar nos pontos espirituais. Mas devo confessar que creio na comunicação entre si.

Quando penso na existência das coisas observo que...

As coisas não desaparecem depois que morrem, nem deixam de existir, e muitas das vezes não mudam seus significados, mas continuam obtendo outros ao longo do tempo vão para novos espaços, em diferentes formatos.

Se a morte é uma passagem para o novo, o nascimento pode ser considerado também como uma ponte do que foi e do que agora inicia?

Somos fragmentos, elementos de algo que se transformou?

Somos reflexos de algo refletindo na Terra, assim como as estrelas?

Tudo agora, me parece uma reflexão em profundo movimento transformativo da criação a partir da existência de algo que já existia, dentre talvez muitas passagens

O nascer e o morrer podem ser a mesma coisa então?


Janelas

Como são estreitas as janelas da tua memória.

Lembra-te da tua infância, divertia-te mesmo com tua pequinesa, despido de orgulho e preconceito.

Satisfazia-te da tendo tua sombra como melhor amiga nos dias de apagão. Corria ao vento de boca entre aberta, língua gelada, teus braços abraçavam tudo ao teu redor.

Lembra-te da tua primeira recordação deste tempo. Onde o tempo não emendava os dias, onde te magoava e dez minutos esquecia.

E quando te magoaram profundamente, gotas cheias de ar quente flutuaram acima de ti.

É preciso voltar de onde nasceu, é preciso ser como eras, despido das coberturas do teu coração.

Como são estreitas as tuas janelas, precisas pular por elas, para isso, te encontrar cada vez menor, onde o coração se torne aquele balão, te levando a ver por todos os lados a beleza em cada manifestação.

Até que tu sumas, fina camada transparente torna-te vento e te lanças por dentro. Dentro da tua boca aberta, língua gelada, onde tu passes por teus braços abertos, é o momento que te encontras, foste encontrada pelo vento.

Corre e abraça-te.


Árvore da Vida

Cobre-me em pensamento,

Sombra de tuas folhas,

Sabedoria viva,

Raízes que me sustentam.

Cria-te em mim.

Fortalece-me desde os pés.

Seguro estou em teus braços “troncosos”.

Uni-me ao teu solo.

Vê o que há em mim

Povoa-me.


Boa Terra

A vida é como uma pequena semente, enquanto você não a coloca no devido lugar, ela nunca irá germinar. Mas levada para uma boa terra e regada, aquela semente surpreenderá a todos que passarem por ela. E agradecerão por sua existência

“Maravilhosa altura!”

“Que lindas flores!”

“Saborosos são os frutos!”

“Que sobra boa!”

A vida é feita por diferentes tempos e espaços, mas sempre haverá lugares específicos que a vida pode germinar coisas novas.

É preciso encontrar a melhor terra, onde o crescimento seja natural e saudável.

Ninguém abre uma semente esperando encontrar uma árvore. Mesmo que de algum modo a ideia da árvore lá esteja.

Assim são os nossos sonhos. Enquanto não estimulamos a nascer e crescer, continuarão sendo apenas uma ideia em nossas cabeças. Procure sua terra.


Adiante

Corri com os olhos adiante, sem perceber fui estar dentro de mim.

E o que vi?

Vi folhas de todas as cores, novas e também secas. Uma árvore de idade média.

Subindo em seus galhos finos, corri com os olhos adiante e sem perceber fui estar no olho dela.

O que vi?

Uma ninhada de pássaros famintos, a espera de alimento. Observei aquela agitação, corri com os olhos para dentro do ninho e os dei de comer.

Eles cresceram, Ficaram fortes, esticaram as asas, me pegaram pela roupa e voaram dia e noite. Conhecemos o campo, ultrapassamos montanhas, tocamos as nuvens.

Sem perceber, saindo de dentro, avistei pessoas dando seus vôos, pessoas expressando o que há por dentro. Observando suas folhagens, subindo em seus galhos, alimentando outros pássaros.


Pássaro Azul

O Pássaro lhe ensinou dizendo:

“Fecha teus olhos. É preciso ser leve de alma para que flutues em pensamento, fecha teus olhos”.

Para isso, uma camiseta, um short, óculos e um par de meias limpas é apenas o que deves levar. A fé, a esperança, a visão, a gratidão, mas dentre estes, o maior é o amor.

Então notarás que teus pés estão mais cada vez mais distantes do chão, teus braços soltos no ar, quando abrires os olhos te notarás em meio as nuvens.


Felicidade

Felicidade se encontra na importância dada à vida.

Feliz da pessoa que torna uma simples coisa em essencial

As mais simples estão em qualquer lugar, é mais fácil até de achar.

Num sorriso, num sorvete, num olhar, regar plantas, ler um livro de vagar, curti a natureza, inventar uma receita, rir de besteira.


Simples Amor

Pássaros a cantar. Estou agora pisando em barro e grama.

De manhã a chuva trás um ar para se pensar numa vida inteira.

Olhos na janela menino na mangueira, caça-borboletas, corre de ligeiro para ser o primeiro, mostra um sorriso de boa.

Quanta coisa se aprende com um menino pequeno. Olhos vidrados para aprender um simples passe de mágica.

Aí é que se vê, felicidade é para se ter quando se dá amor, simples amor.

Aí é que se vê, felicidade dá pra ter quando se dá amor, simples amor.


Menino Pequeno

Arranquei uma coluna de carne, plantei uma erva no campo. Apossa em mim, uma nova fonte.

Meu encontrou um olhar inocente, um sorriso espontâneo. Uma criança da bela vista do baixo Amazonas. Tão leve, sobe até o olho da árvore.

Meu pensamento distante encontra um olhar aconchegante num menino pequeno, encontrei uma nova linguagem, para comunicar comigo mesma.


Vasos

Chuva em telhados, asfalto entre carros, vem molhar estes vasos, faz crescer folhas nestes galhos. Já que foi tudo o que te restou, do muito que já regaste.

Conta-se nos dedos as árvores do bairro, duma mata tão densa que os homens derrubaram. Hoje tudo o que te resta é a esperança desses vasos.


Segura de mim

Hoje me disseram que sou uma mulher segura de mim.

Wow!

Então me questionei:

"Segura de mim?"

Que engano fatal. Sou tão insegura quanto qualquer criatura.

Tenho medo, vergonha, não sei de tudo, solteira, artista, sem grana.

Mas eu sigo com uma ideia de que a vida apesar de incerta toma forma, cor, voz e drama; quando se propõe expressar seus dilemas através da escrita, da música, da pintura, dança, teatro, cultura.

Extraindo do dia a dia a reflexão, a poesia e a invenção.

Fazendo arte...

Quero ver o inseguro não ter razão.

Fazendo arte...

Quero ver os tais "seguros" não se questionarem quanto a sua visão.

Pois como todo professor de desenho diria é tudo questão de perspectiva.


Brincadeiras na meia noite

No meio da noite Pensamentos Flutuam Como crianças em roda Dançando ao vento.

Digo para fazerem silêncio. - Aquietem! Preciso acorda bem cedo. Mas não adianta, me chamam para a dança; Participar do enredo.

Crianças são assim mesmo, Principalmente as que moram Aqui dentro.

E quando estou cheia de trabalho... Ai, meu Deus! É um tormento. Uma luta que enfrento; Fico sem argumento; Jogo-me de peito, Saio correndo, Para brincar no quintal, Livre com meus pensamentos.

Não resisto. Me deito, Sento Levanto.

Quando me vejo, Passou-me parte do tempo Olhando para o texto, Para as paredes em branco, Falando sozinha. Imaginando tudo como seria.

Mas o legal de tudo isto, Que isto, não é vida à desperdiçar. Não quando as crianças Armam peças de insônia, E a insônia é sonhar; Se dos sonhos te despertas, no impulso do “insight” realizar.

Insight é clareza, Iluminação, estalo, luz; Crianças gritando na mesa: - me passa o suco, me passa a farinha, quero manteiga...

De uma coisa tenho certeza Melhor, crianças gritando na mesa, Do que sozinha, numa casa vazia.


O que é o amor?

É aquela ventania que bate na barriga espantando as borboletas até a garganta?

É o sentimento espontâneo que nos envolve dos pés a cabeça?

Que dá arrepios e nos faz falar que a vida é uma beleza?

O que é o amor?

O amor é um dom para poucos.

Amar não é o muito falar, e vai muito além do conhecimento humano, e do que ele pode imaginar, desejar, esperar e acreditar.

Sem amor não se faz grandes coisas.

A caridade sem amor pode encher a barriga dos necessitados, mas também encher o orgulho dos que procuram visibilidade e preencher o tempo dos que procuram atividade.

Se, para mostrar que ama, é preciso jogar-se de alturas, correr distâncias e distribuir presentes, pode ser que nesta busca frenética, também se esqueça de notar as coisas simples que fazem a diferença. Talvez, o simples ato de se fazer presente é o que falta para muita gente.

O amor é visto na paciência, onde quase não se vê nenhuma ou jamais alguma possibilidade de mudança.

O amor é suave e favorável ao bom viver. Também não se aprisiona em desconfiança, nem mesmo lhe tira a simplicidade de ser.

Com o amor não se barganha e nem causa irritação, mas abre a mão de perdão, pois o amor não prejudica, mesmo estando sempre do lado da verdade.

Tendo amor, se acredita, e mesmo no sofrimento, amando, se supera, reconhecendo o aprendizado.

Tendo amor há como esperar, sendo assim, há paciência para suportar.

E se perdendo tudo, e sobrando fé, haverá também a esperança em dias melhores.

Mas havendo a linguagem do amor, mesmo não havendo mudanças, há de se compreender as circunstâncias para se viver melhor.


Rosto em aquarela

Transparentes camadas de cores gotejam numa folha em branco, revelando-me o rosto que a temo não toco. Pincelada a pincelada, a primeira não se apaga. Embora, esteja de propósito abaixo de todas as outras camadas, para exaltar a segunda, a terceira e a quarta.

Aos poucos tudo o que faz sentido em uma linda aguada terá sua parte fragmentada em vícios de uma artista que pinta o que sente na alma.

Se você tem uma ideia, voe com ela.

Então, se viver é isso, que vire tudo poesia.

Aquarela exige um tempo de descanso. É igual a um relacionamento amoroso, se ficar muito encima não vai prestar. Espere secar.


Escrita silenciosa

A escrita é um exercício calado da fala.

Pois o registro do pensamento é o que tem para relembrar o passado, compreender o presente, ampliar o futuro.

Chuva de ideias não me deixa dormir. Mesmo se me deito, corro dentro de mim.

A Infância é uma porta aberta para criações sem leis de gravidade.

A arte precisa ser sentida, e só sentimos a arte, quando sentimos a vida.

0 visualização